Não tem sido fácil o início de trabalho de Osmar Loss no Vitória. Terceiro treinador do Vitória no ano, Loss chegou ao clube em maio deste ano e encontrou um time que não vencia havia dois jogos, na 17ª posição na tabela da Série B. De lá para cá, a situação só piorou: a equipe está na lanterna da competição e teve seu último triunfo em 4 de maio, ainda sob o comando de Cláudio Tencati.

O GloboEsporte.com fez um levantamento do início de trabalho de Osmar Loss em todos os clubes por onde passou. A equipe resgatou as cinco primeiras partidas do técnico de 44 anos, que passou por Juventude, Bragantino, Corinthians e Guarani. E, de acordo com os dados, este é o pior início de trabalho da carreira de Osmar Loss.

Substituto de Cláudio Trencati, Loss comandou o Vitória em cinco jogos da Série B. Perdeu quatro, empatou um – um aproveitamento 6,6% à frente do time. O rendimento é bem diferente daquele obtido pelo treinador no começo de seus trabalhos anteriores.

O primeiro clube do técnico foi o Juventude, entre dezembro de 2009 e agosto de 2010. No começo da campanha, o treinador alcançou uma vitória, um empate e três derrotas: 26% de aproveitamento, o mesmo alcançado por ele no Corinthians, em 2018.

No Bragantino, em 2015, o rendimento de Osmar Loss nos primeiros cinco jogos foi um pouco pior: 20%, contando apenas com um triunfo e quatro derrotas. Foi no Guarani, na temporada passada, que o treinador do Vitória teve o seu melhor início de trabalho: 46%, com duas vitórias, um empate e duas derrotas.

Os resultados ruins fizeram com que Osmar Loss fosse questionado sobre a continuidade no cargo no Vitória. Após a derrota para o Cuiabá, na última terça-feira, o treinador falou o que pensa sobre o risco de encerrar de forma precoce sua passagem pelo clube.

“Eu acho que o cargo do treinador está sempre ameaçado quando resultado não vem. A conversa com ele [Paulo Carneiro] foi de cobrança de coisas que poderiam ter sido feitas melhor. A busca nossa é para encontrar solução. Tivemos três contratações, pretendemos fazer mais duas ou três pelo menos. O treinador vive de resultado no Brasil”, disse Osmar Loss.

Além de Osmar Loss e Cláudio Tencati, o Vitória teve, em 2019, Marcelo Chamusca no comando da equipe. O Rubro-Negro também mudou em diversas esferas: trocou presidente, diretor de futebol e fez 30 contratações. Mas a situação continuou delicada, e a equipe foi eliminada precocemente de todas as competições disputadas no primeiro semestre – exceção feita à Série B, que tem pontos corridos e teve início no fim do mês de abril, com término no fim do ano.


Osmar Loss tem nova oportunidade de melhorar os números pelo Vitória no dia 19 deste mês, quando enfrenta o Criciúma, no Barradão, às 21h30 (horário de Brasília).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui