O técnico Alexandre Gallo será obrigado a modificar a formação titular do Vitória para a partida contra o Atlético-GO, marcada para sábado, às 16h (de Brasília), no estádio Olímpico, em Goiânia. Com uma lesão no ombro, Kieza não estará à disposição. O lateral-esquerdo Gefferson está suspenso pelo terceiro cartão amarelo e também não joga no fim de semana. Desta forma, o treinador não poderá repetir a escalação que iniciou o clássico do último domingo, no Barradão.
Apesar das ausências, Gallo não tem pretensão de modificar profundamente o time titular. Para o técnico, o momento é o de mudar pouco para fortalecer o padrão. David e Neílton são os concorrentes a vaga no setor ofensivo, enquanto Thallyson deve herdar a posição na lateral esquerda. O restante da equipe deve permanecer inalterado. 
– Pretendo não mudar muito. Quero mudar o mínimo possível. Gostaria muito de repetir uma equipe só, mas o futebol não dá para agir dessa maneira. Até porque o momento que a gente vive é de bastante desconforto. Estamos tentando achar nosso melhor. A ideia é mexer o mínimo possível. Não tem mistério nenhum. A única coisa é que, hoje a informação é muito rápida, a gente não quer passar subsídio com antecedência para nosso adversário, que é forte, a gente respeita. Não tem nada diferente do que os outros fazem também. A gente quer qualificar ainda mais nosso grupo. Queremos melhorar nossos 90 minutos, que têm que ser intensos, bem jogados, ter o controle da partida, fazer por merecer vencer. Assim que eu entendo que uma equipe começa a vencer e sair dessa situação que a gente está. 
Gallo descarta grandes mudanças para sábado: “Ideia é mexer o mínimo possível” 1
Alexandre Gallo não pretende fazer grandes mudanças no time titular para enfrentar o Atlético-GO (Foto: Maurícia da Mata / Divulgação / EC Vitória)
A briga por posição no ataque gerou uma situação de atrito entre treinador e torcida no Ba-Vi. Com a confirmação da lesão de Kieza, torcedores presentes no Barradão gritaram pelo nome de Neilton. Gallo, no entanto, optou por colocar David em campo. Nesta quarta-feira, ele explicou a diferença entre os dois atletas.
Relação a gostar de time forte, não é isso. Gosto de um time técnico, em que eu monte o esquema tático e o time esteja preparado para isso. A diferença de David para Neilton é que David é veloz e Neilton é ágil. Existe diferença grande com relação a isso. David é um jogador de profundidade de jogo, como Kieza também é pelo lado. No jogo contra o Bahia precisava de profundidade, e não de capacidade técnica, de velocidade curta. Essa é a diferença. As vezes falam que são dois jogadores rápidos. São bem diferentes. 
 
Neilton, por sinal, conversou bastante com o treinador após o treino de terça-feira. Mesmo depois que os jogadores foram para o vestiário, o atacante e o técnico permaneceram reunidos em campo. Gallo afirma que o bate-papo não significa a titularidade na partida contra o Atlético-GO. 
– Conversas pontuais que a gente tem, as vezes com alguns atletas, as vezes acontece na minha sala. O Neilton é um menino muito querido, gosto bastante dele, conheço ele desde a base do Santos, moro em Santos há 25 anos. Sei todo o histórico dele. A gente conversou sobre futebol, como converso com vários atletas. A gente tenta melhorar a condição dele, dando uma visão do que a gente quer para ele dentro de campo, da nossa necessidade. Ele é importante, quando começa jogando ou quando entra. O importante é ele saber que tem importância para a gente e no momento certo dar a parcela de contribuição.
Com nove pontos, o Vitória ocupa a 18ª colocação do Campeonato Brasileiro, na zona de rebaixamento. O Atlético-GO é o lanterna da competição e acumula quatro jogos sem triunfos dentro da Série A. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui